Como Contratar Ghostwriter – Dicas para Avaliação de um Profissional

Dicas para Avaliação de um Escritor Profissional

Quando você pensar em contratar um Ghost Writer (escritor fantasma), é importante que tenha alguma direção definida sobre como deve ser esse profissional que, pretende-se, irá transformar suas ideias em textos agradáveis aos seus leitores.

1 – Afinidade

Nas primeiras conversas, busque identificar se há harmonia de pensamentos entre vocês, se há sintonia sobre o tema, se o escritor consegue compreender sua mensagem e interpretar como você deseja passá-la aos seus leitores. É importantíssimo que você se sinta confortável ao explanar suas ideias e objetivos, e que ele reflita proporcionalmente ao seu entusiasmo.

2 – Estilo de escrita

Qual o estilo do profissional? Informal, acadêmico, dramático, intelectual, bem-humorado? Peça amostras de trabalhos e veja se ele se identifica com o estilo que você imagina para a sua obra.

3 – Temas em que tem experiência

Alguns escritores têm mais experiência em biografias, outros em livros técnicos, historiográficos, jornalísticos… Consulte a experiência dele em relação ao seu tema ou áreas similares.

4 – Quais critérios são utilizados na formação de um orçamento

Como é cobrado o serviço? Por página, por hora? Como é definido esse valor? Quais serviços estão embutidos no valor total?

Peça sempre um detalhamento sobre o orçamento e todos os serviços que estão relacionados, como revisão, diagramação, registro, preparação de imagens, quadros, tabelas, entrevistas, traduções e transcrições.

5 – Quais as garantias oferecidas

Solicite uma amostra do contrato e assegure-se de estarem definidos valores, formas de pagamento, prazos, cláusulas de sigilo, confidencialidade, e discriminação dos serviços contratados

6 – Qual o cronograma de trabalho

É importante que seja passado a você um cronograma de trabalho com previsões de cada etapa do projeto.

Por fim, busque sempre por profissionais que possam dar algum tipo de referência sobre seu trabalho.

Atualmente, há uma certa banalização do serviço de Ghost Writer que, por supostamente ser um trabalho bem remunerado, acabou atraindo muitos curiosos em busca de um home office, jovens apaixonados por literatura, desempregados em busca de um “bico” ou mesmo pessoas que gostam de escrever e são ‘esforçadas’, tecnicamente falando, mas não mais que isso, o que não é o bastante para realmente sê-lo.

Deixe uma resposta